Chegou a hora do rebranding?


Quem nunca chegou naquele momento em que é preciso parar avaliar e modificar a rota? Com uma marca, acontece o mesmo. Afinal, ressignificar faz parte da vida e se recolocar, muitas vezes, pode ser até questão de sobrevivência.

No marketing, a esse processo damos o nome de rebranding, um conjunto de estratégias capazes de reposicionar uma marca a fim de fazer com que ela permaneça viva frente ao mercado e a novos cenários e presente no imaginário do consumidor.

E o Mezan traz verdades sobre o assunto! Separamos três questões muito importantes que irão desmistificar várias ideias que circundam o rebranding e discutir alguns aspectos que devem ser considerados para que uma marca se reorganize de maneira efetiva. Vamos lá?


Fazer um rebranding será inevitável durante uma trajetória

Marcas envelhecem e o mundo muda constantemente. Por isso, é impossível que a marca não precise passar por uma reformulação em algum momento de sua vida. Novas demandas surgem, sua empresa cresce, a rotina do consumidor muda, tecnologias novas estão sempre aparecendo, fusões ... todos esses momentos são ideais para uma mudança. É preciso evoluir e se adaptar sempre!

Por isso, o rebranding deve ser visto como um processo natural, que traz maturidade tanto àquele ao pequeno negócio quanto ao grande que precisa se manter competitivo e com a imagem antenada e arejada.

A mudança pode ser gradual ou radical

Quando falamos em um rebranding, falamos de um processo que pode ou não ser acelerado. Há quem deseje mudar da noite para o dia, mas há quem prefira que as alterações sigam um caminho que não dissocie a marca por completo de seu público, trilhado pouco a pouco. Desta forma, podemos separar o rebranding em três categorias: o rebranding radical (com um novo posicionamento e nova marca e identidade visual) , em que se altera tudo de uma marca a fim de que a mudança seja totalmente perceptível em um primeiro o momento; o rebranding evolutivo ( novo posicionamento ou alinhamento com re-design de marca e nova identidade visual), em que mudanças são feitas gradualmente fazendo com que seu público se acostume ou espere pela mudança; e o rebranding parcial ( alinhamento do discurso e evolução e padronização da identidade visual).


Mudar sua identidade visual faz parte do rebranding

Alterar conceito, propósito e posicionamento, arquétipo, adjetivos de personalidade, diferenciadores da marca, discurso, tagline e todo o universo que compõe sua marca também faze parte deste trabalho. Mas alterar a identidade visual de uma marca, que reflita seu momento, é essencial e um dos aspectos mais importantes para mostrar a nova forma da empresa desempenhará sua jornada dentro do mercado.

Um novo logo, por exemplo, deixará claro o quanto a sua empresa mudou e quais são os seus valores, sem deixar de lado sua essência. Então, seja qual for seu momento ou a forma que sua marca deseja se reposicionar, o Mezan consegue te ajudar!


blog